Páginas

29 de out de 2017

Poesia



Eu vejo poesia na Matemática,
vejo beleza no Cálculo,
na Geometria,
na Álgebra

Mas por que a minha tristeza some
e a minha vontade de escrever poesia desaparece
quando estou resolvendo uma equação?

Eu não consigo escrever nem pensar sobre autodestruição,
amor, morte.
Eu só tendo ao infinito, de uma forma boa.
Eu vou viver para isso porque,
só assim,
não penso na minha desesperança em relação ao futuro,
vazio das relações humanas,
individualismo e modernidade
liquefazendo tudo,
de forma a escorrer pelos dedos:
o amor, a verdade, tudo que deveria ser sólido.

Sinto vontade de viver para isso
porque me tira do que é mau.
Mas gosto de escrever poesia,
só não sinto mais vontade.

Então vou falar de quão bonita a Matemática é.
E, se uma função pra um determinado valor tender ao infinito,
assim como ela, eu também quero ser infinita,
gigante.
Eu quero explodir como a f(x) = 1/x
quando x tender a zero.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 Mapa Literário